TREINO COGNITIVO EM IDOSO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO

TREINO COGNITIVO EM IDOSO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO

Objetivo: Segundo a Organização Mundial da Saúde, 2008, a qualidade de vida envolve os domínios psicológicos e de independência, o que por sua vez engloba diretamente as habilidades cognitivas e formas do ser humano se relacionar com o mundo com o uso destas. Partindo deste princípio, evidencia-se a importância do treino cognitivo no processo de senescência, levando em consideração as evidências de declínio em funções cognitivas como memória, atenção e funções executivas no decorrer deste processo. Logo, objetiva-se neste trabalho verificar o efeito do treino de habilidades específicas nas funções cognitivas de um idoso saudável.

Materiais e métodos: A avaliação neuropsicológica foi realizada num idoso, sexo masculino, 88 anos, no Instituto de Medicina e Psicologia Integradas (IMPI). Foram aplicados os seguintes instrumentos de rastreio e avaliação cognitiva, antes e após o treino cognitivo: Montreal Cognitive Assessment (MoCA), Teste de Fluência Verbal fonológica e categórica (FAS - animais), Escala de Inteligência Weschler para Adultos (WAIS-III), Teste de Aprendizado Auditivo Verbal de Rey (RAVLT), Teste da Figura Complexa de Rey, Bateria Psicológica da Atenção (BPA), Trail Making Test, Teste de Aprendizagem Auditivo-Verbal de Rey (RAVLT), Teste de Figuras Complexas de Rey e Teste de Memória de Longo Prazo no Plano Visuoespacial-Episódica (BVMT-R). Foram utilizados os seguintes instrumentos no treino cognitivo: Plataforma online do IMPI, Jogos da Cognos, livros de tarefas cognitivas.

Resultados e conclusão: A partir dos resultados pôde-se observar aumento no funcionamento cognitivo, em especial no domínio da memória de curto prazo, longo prazo e reconhecimento do plano visuoespacial (gráfico 5, abaixo). Funções como atenção concentrada e alternada também apresentaram melhoras. A melhora no desempenho do indivíduo pode estar positivamente relacionada à motivação, demonstrada pelo participante, ao fato do treino ter ocorrido na sua residência, ao apoio familiar recebido e ao estímulo de sua autoestima ao perceber sua própria melhora em cada etapa do treino.

Estudos futuros: Futuras análises devem investigar como os fatores citados acima podem influenciar a melhoria das funções cognitivas em decorrência de treinos cognitivos. Deve-se também avaliar os efeitos à médio e longo prazo, bem como a realização de nova sessão de treino cognitivo.

Palavras-chave: senescência, treino cognitivo, memória e atenção.

 

Editado por

Matheus Araújo

Centro de Pesquisa em Neurociências

27/09/2018